27/11/09

A história do Cristianismo

Um padre fugiu com uma paroquiana por amor. Foi bonito e gostei de saber desta lufada de ar fresco, neste país pasmaceiro e hipócrita, o que nos dá sempre alento .

O Dr. Catita das Neves deixou a história do Cristianismo, publicado na revista "Deo Ares Lusitani" no idos dos anos 70. Reza assim:


"Ao iniciar estas circunstânciais palpitâncias sobre o assunto em causa, deverei assumir uma posição de indelével imparcialidade hemisférica, itinerante e alusiva a tão pernóstico palpite existêncial.

Focaremos de seguida e detalhadamente, o aparecimento do Cristianismo, seus fundadores e membros da administração, seus ideais, suas perfurantes tentativas de integração na compacta massa anónima de responsabilidade limitada.

Todos nós nascemos mascarrados pelo pecado original, o pecado mais imitado, mas nunca igualado. Pois de Cristo, ipsis verbis Palmolive, muito se especulou, rebateu, contestou e discutiu, sobre a momentânea confusão rebarbativa, em alusão à sua provável progenitura, influenciada na criação homogénea e embrionária, respeitante à natural concumitância inerente a tão palrética textura.

Tudo isto é uma achega, que aconchega mas não chega. Aspergindo-se em alcoendricas meditações, as reconfuscadas coordenadas do seu espírito vertebral, derramaram emolumentos simétricos e eficazes sobre a carcaça desta comunidade pecadora, libertando-a por igual, dos malefícios sistemáticos e recalcados, infundidos pela divindade inimiga.

Quando eis que aparece radiosa na sua auréola lavada com Omo, a virgem deste mar de palha. Nessa venturosa altura, faz também a sua entrada o ardiloso profeta Moisés, protagonista sagaz do Antigo testamento, a favor do Colosso de Rhodes.

Arrastando à sua incomparável dialéctica, os cristãos das águas livres, enriquecem e convida os pertinazes acólitos para as bodas de Caná, em que aquelas costas vergadas pelo pecado, se endireitaram repentinamente sob os efeitos do excelso vinho.

Mas de uma maneira inesperada, o Cristo, definitivamente afastado dos métodos corporativistas, penetra na sala, transforma o vinho em pirolito, espeta duas cabeçadas no Moisés, sobe a mesa, vai converter os presentes, quando o Maomé, que se deslocara perniciosamente num dromedário de corrida, o interrompe, desbaldando-lhe a popularidade com uma excelência da sua barbosa enxúndia. Gera-se cristianíssima confusão. Altercados os câmbios patológicos da turba, Noé, palpitando o aparecimento do dilúvio, não tem tempo de construir a arca e morre afogado.

Tão palpitante barafunda dificultosamente prevista, e mais tarde detalhadamente analisada pelo " Borda D'água", veio alterar sectáriamente as vivências sedentárias, empíricamente enraízadas nas apopléticas cavernas corporais da proverbial camada trabalhadora.

Mas após tão desidratada balbúrdia, veio a calmaria contundente e festiva, evidente e psicossomático sintoma de que as metafóricas verborreias do colectivismo circundante, se paramentaram na contínua indolência da tropical latitude reconfusca.

Entretanto Caifás, primo de Sodoma e Gomorra, e partidário da Mafona industrial, converge os seus subreptícios interesses na perspico-bisbilhocaz exploração dos fascículos segundo S. Martinho do Porto.

Repentinamente, na suspitância morna do papel milimétrico, Jesus sobe a uma barcaça do Jordão e peremptoriamente descuidado na sua permante obstinência intestinal e famélica, desbalda-se em capitosas meditações sobre a reconversão hidrostática dos copiosos pecados dos fieis que, estarrecidos, tomados de um terror circunspecto e assaz, rojavam abundantemente as definhadas ossaturas nas arestas cortantes e metálicas do basalto da colina .

Eis quando Cristo que sofria de hereditárias apoplexias teológico-dogmáticas, de acentuada reconversão metafísica e décimal, se alcandora ao patronato caviloso em alusões de grande saber e virtude picantrópicamente alusivo-pegajosas.

Interrompendo bruscamente na sala, o Alfageme de Santarém, improvisa empiricamente sobre a massa e a matéria mas, confundido, às tantas nos meandros de tão melindrosa atitude, conclui com desenvoltura que , a acutilância ancestral de tão intercalada e subjectiva decisão, de verte ou cor de rosis pepsodent, já não tropo beni-multi se carece.

Alabastrosamente se conclui que a latitude existêncial de tão estreito e acanhado intelecto, não era uma metamorfose peristáltica mas, um estado de espírito convulsivo, o que originou a retirada de tão descritivo e remançoso orador, para o reconforto da catatumba."

21/11/09

O déficite

Segundo os jornais deste fim de semana o déficite deu uma "tareia" a Teixeira dos Santos, que o deixou com muitas nódos negras e até lhe partiu o sobrolho, tendo levado 8 a 10 pontos.
Mas nada disso impede o dito Ministro, reconduzido novamente pelo sr. Sousa, de continuar a sorrir, dado que ele sabe muito bem que somos nós todos que o vamos pagar o déficite, e ele continua com um chorudo ordenado acrescido ainda da renda de casa, porque o homem é esperto e mesmo tendo casa em Lisboa, o domícilio fiscal é fora de Lisboa .
E vivam os socialistas que se sabem orientar muito bem... é a máxima do partido....

20/11/09

Há partidos com sorte!

O sr. Sousa e o PS têm muita sorte.
Com o "varinha" consegue num abrir e fechar de olhos, controlar a comunicação social; financiar as campanhas eleitorais; gerir uma rede de influências ao mais alto nível e ainda transformar a sucata em oiro.


Prevenção da Gripe A

Nada como proteger-se como manda a DGS!
Mai nada !

19/11/09

O Livro deste Natal

Vai ser editado este Natal, com os cumprimentos do PS e do BCP .

15/11/09

Vida ascética


O sr. Sousa tem uma "malapata" contra a os Jornais em geral e contra os jornalistas em especial (excepto a sua namorada).

Tudo isto porque, desde que chegou a Primeiro Ministro, as trapalhadas são sempre mais que muitas, e nunca conseguiu explicá-las de modo a ficar isento de qualquer mácula . Mais, apela sempre para a Justiça sendo que os processos ou são arquivado ou prescrevem.

Agora temos a "Face Oculta" e mais uma vez a justiça dá de si uma imagem pouco digna .

Não me espanta que Sócrates e Vara "mexam os cordelinhos" para atingirem os seus fins. Não me espanta que façam tráfico de influências.

Ao fim e ao cabo, o cidadão, tem a nítida sensação que estes são os impunes da sociedade que, em cima do seu pequeno palanque, apelam sempre à justiça, nada constrangidos, nada engasgados para justificarem a sua impunidade.

O comum cidadão vê passar diante dos seus olhos, os seus negócios, abafados por isto ou por aquilo, e são assuntos delicados, daqueles segredos que toda a gente fala nas ruas.

Que podemos nós dizer: Que a seriedade morreu e aqueles que estão atentos, ficam com cara de parvos ? Para nada!

Eles podem fazer tudo e orgulham-se disso mostrando o peito inchado da hipocrisia. Eles sabem bem que em Portugal não há uma consciência colectiva, um sentido de honestidade e de ética.

E aqueles que no passado tudo também lhes foi permitido, com a sua velhice assegurada, apaparicada, mimada e um rico nível de vida, à custa de todos nós, gostam de dar lições de virtude, mística, e até vão à televisão apontar as mesmas soluções apregoadas anos a fio, e nunca concretizadas. E são adulados... e vivem uma velhice de extâse .

Os que agora estão no poder bebem a sua sabedoria e imitam-lhes o percurso. Eles também querem ser reformados de nascença. Assim que deixam o biberão, e o "kindergarden" logo no querido liceu, entram nas Jotas, de um qualquer partido de assento parlamentar, e conseguem com os seus amiguinhos, um emprego reservado à medida, e se for necessário fazem as " trocas de camisolas" necessárias . A gorda pensão camaleónica espera-os ao fim de 12 anos.

Se neste percurso, aparece alguma "cabala negra" apelam à opinião pública que têm sempre razão, sobretudo quando é estúpida, e às votações obtidas em actos eleitorais como legitimadores da "impunidade". Apelar à justiça já é um hábito, porque todos sabemos que inoperante, encontra sempre uma prescrição ou explicação para inexplicável.

Para o pobre português a vida mesmo ascética, ainda assim, é extremamente cara

14/11/09

Mais dois mimos!

A menina Idalina recebeu do blog Marcas de água o prémio Blog Instigante que destaca os Blogs que: além da assiduidade das postagens e do esmero com que são feitos, nos provocam a necessidade de reflectir, questionar, aprender e – sobretudo – que instigam almas e mentes à procura de conhecimento e sabedoria.

Desde já agradeço o mimo, faz sempre bem, e segundo o regulamento tenho de indicar outros blogs que instigam almas e mentes.

Cá para a Menina Idalina todos os blogs da barra lateral considerem-se osculados porque, de uma forma ou de outra, obrigam-me a pensar.


Recebeu também do blog Portugal dos Piqueninos o mimo "Este Blog Deixa-nos Agarrados". Brigado, José Espremido até ao Tutano .

13/11/09

A pedido!


A Portugal

 
Esta é a ditosa pátria minha amada. Não.
Nem é ditosa, porque o não merece.
Nem minha amada, porque é só madrasta.
Nem pátria minha, porque eu não mereço
A pouca sorte de nascido nela.
 
Nada me prende ou liga a uma baixeza tanta
quanto esse arroto de passadas glórias.
Amigos meus mais caros tenho nela,
saudosamente nela, mas amigos são
por serem meus amigos, e mais nada.
 
Torpe dejecto de romano império;
babugem de invasões; salsugem porca
de esgoto atlântico; irrisória face
de lama, de cobiça, e de vileza,
de mesquinhez, de fatua ignorância;
terra de escravos, cu pró ar ouvindo
ranger no nevoeiro a nau do Encoberto;
terra de funcionários e de prostitutas,
devotos todos do milagre, castos
nas horas vagas de doença oculta;
terra de heróis a peso de ouro e sangue,
e santos com balcão de secos e molhados
no fundo da virtude; terra triste
à luz do sol calada, arrebicada, pulha,
cheia de afáveis para os estrangeiros
que deixam moedas e transportam pulgas,
oh pulgas lusitanas, pela Europa;
terra de monumentos em que o povo
assina a merda o seu anonimato;
terra-museu em que se vive ainda,
com porcos pela rua, em casas celtiberas;
terra de poetas tão sentimentais
que o cheiro de um sovaco os põe em transe;
terra de pedras esburgadas, secas
como esses sentimentos de oito séculos
de roubos e patrões, barões ou condes;
ó terra de ninguém, ninguém, ninguém:
eu te pertenço. És cabra, és badalhoca,
és mais que cachorra pelo cio,
és peste e fome e guerra e dor de coração.
Eu te pertenço mas seres minha, não
 

Jorge de Sena

Mudam as moscas....


(carregue na foto para ler muiiiiiito bem) 

Mas a merda é a mesma!

Troquem "Estado Novo" por "Estado Socretino" e verifiquem.

10/11/09

Jorge de Sena

A Escuta e a conversa mole do sr. Sousa

Que aborrecimento! Estes juízes são mesmo mauzinhos .

Andavam a escutar o Vara e descobriram que o tipo fazia parte de uma rede de "troca directa" de favores, que beneficiava obviamente, os amigos. Estes reconhecidos,  acabam por dar "uma gracinha " tipo sei lá ... 10 mil euros, e geralmente em parques de estacionamento. Coisa banal e vulgar ... todos nós fazemos isso ...

Pois o problema, é que o sr. Sousa, amigo do seu amigo, costumava falar com o Armandinho, de temas banais como  a vida da  família, os amigos comuns, e até as carestias da vida nomeadamente a conta calada cada vez que abasteciam a dispensa. Então e não é que os "malandro" do juíz tirou várias certidões, e mandaram-nas  para o Supremo Tribunal de Justiça. 

Pimba! Mais um escândalo, uma peça de um puzzle que o sr. Sousa gosta de chamar " cabala negra" e que geralmente atinge-o sempre a ele, que é um modelo de virtude,ética, honestidade e até de lisura. Sim, porque a licenciatura; a Cova da Beira; o Freepó; as assinaturas dos processos na Câmara da Covilhã; os primos, tios e família; a casa da mãe e outros eteceteras que o povo se habituou, só existem para o difamarem. 

Agora, já não se pode ser amigo do Armandinho, que até foi tão honesto que suspendeu o mandato de administrador no BCP. 

Porra que é demais... Um homem já não pode fazer uma chamada a um amigo !!!!

Sr. Sousa: Vexa acha que a Menina Idalina come miolos de enchergão ao pequeno almoço? 

04/11/09

Só nos querem dar remendos e côdeas

video
Lembram-se ?
José Mário Branco " Remendos e côdeas"
Ainda se mantêm actual!

01/11/09

E depois querem confiança !


O governo do sr. Sousa está completo.  Tem ministros e os ajudantes de Ministros. Vai ser um "fartar vilanagem" a nomear os asssessores e os assessores dos assessores e todos os lugarezinhos vagos por esse país fora . 

Mas como se poderá confiar num governo que nomeia Vasco Franco para secretário de Estado.

Aqui fica só para lembrar.  É bom não esquecer o percurso destes senhores .